Dom-Geraldo-Majella-1

O Arcebispo Emérito da Arquidiocese de Salvador, Cardeal Dom Geraldo Majella Agnelo, celebra hoje (29) o 60º aniversário de Ordenação Sacerdotal. São seis décadas de dedicação e obediência à Igreja, sob o lema “Caridade com Fé”. Para marcar as comemorações do Jubileu de Brilhante, Dom  Geraldo presidirá duas Missas: a primeira será nesta sexta-feira (30), às 19h30, na Catedral de Londrina, no Paraná; e a segunda acontecerá no dia 1º de julho, também na Catedral de Londrina, às 19h.

Dom Geraldo também celebrará o Jubileu de Brilhante junto aos fiéis da Arquidiocese de Salvador. A Missa será no dia 4 de agosto, no Santuário Nossa Senhora de Fátima (Garcia), às 19h30.

Nascido em Juiz de Fora, Minas Gerais, no dia 19 de outubro de 1933, Dom Geraldo é o terceiro filho de uma família formada por oito irmãos. Os pais Antônio Agnelo e Sílvia Spagnolo Agnelo o batizaram aos quatro meses de vida. Ao completar 12 anos, Dom Geraldo iniciou o curso ginasial no Seminário Menor de Santo Antônio, em Juiz de Fora, continuando os estudos em 1948, no Seminário Menor de São Paulo, em Pirapora do Bom Jesus, dirigido pela Ordem dos Premonstratenses (O.Praem).

No ano de 1951 Dom Geraldo iniciou o curso de Filosofia no Seminário Central da Imaculada Conceição do Ipiranga, na capital paulista. A licença em Filosofia foi obtida anos mais tarde na Faculdade de Filosofia da Universidade de Mogi das Cruzes, em São Paulo. Em 1954 Dom Geraldo se inscreveu na Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção, também em São Paulo, obtendo a licença no ano de 1957.

1ª-missa
1ª Missa celebrada por Dom Geraldo logo após receber a Ordenação Sacerdotal

A Ordenação Sacerdotal aconteceu no dia 29 de junho de 1957, na Catedral da Sé, em São Paulo, pelas mãos do então Arcebispo de São Paulo, Dom Antonio Maria Alves de Siqueira. Como presbítero exerceu as funções de Diretor Espiritual no Seminário Vestibular Santo Cura d’Arns para Vocações Adultas, no Seminário Filosófico em Aparecida e no Curso Teológico do Seminário Central da Imaculada Conceição do Ipiranga.

Foi também colaborador na paróquia Santo Antônio da Barra Funda, assistente eclesiástico da Juventude Estudantil Católica Feminina, notário do Tribunal Eclesiástico e cônego do Cabido Metropolitano. Enquanto padre, Dom Geraldo foi ainda professor no curso Teológico do Seminário Vestibular Santo Cura d’Ars, no Seminário Central do Ipiranga e na Faculdade de Filosofia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Em 1967 Dom Geraldo foi para Roma, onde estudou Liturgia no Instituto do Pontifício Ateneu de Santo Anselmo, obtendo o doutorado em Teologia com Especialização em Liturgia. Durante a permanência em Roma, no Pontifício Colégio Pio Brasileiro, participou semanalmente do programa para o Brasil, Intitulado Liturgia e Vida, além de ser colaborador pastoral na paróquia de São Clemente Papa.

Em 1970 Dom Geraldo retornou ao Brasil e assumiu o cargo de coordenador de Pastoral da Arquidiocese de São Paulo até o ano de 1974. Neste período ele lecionou Teologia Litúrgica e Sacramentária no Instituto Teológico Pio XI, no Seminário Maior João XXIII e na Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção, da qual foi também diretor entre os anos de 1974 e 1978.

No dia 5 de maio de 1978, o Papa Paulo VI o nomeou bispo diocesano de Toledo, no Paraná. Recebeu a Ordenação Episcopal no dia 6 de agosto do mesmo ano, na Catedral de São Paulo, em solenidade presidida pelo Cardeal Dom Paulo Evaristo Arns. Dom Geraldo foi co-fundador, diretor e professor da Faculdade de Ciências Humanas Arnaldo Busato de Toledo. Foi um dos vice-presidentes da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) – Regional Sul 2 e membro da Comissão Episcopal de Liturgia.

Em 27 de outubro de 1982 o Papa João Paulo II o nomeou Arcebispo Metropolitano de Londrina, também no Paraná. De 1983 a 1987 foi presidente da Comissão Litúrgica da CNBB, ao mesmo tempo foi membro do Departamento de Liturgia do Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam).

Outra marca na vida e na trajetória de Dom Geraldo é a Pastoral da Criança. Em 1983 esta pastoral teve início em Florestópolis, no Paraná, difundindo-se em todas as dioceses do Brasil e em alguns países latino-americanos.

No dia 16 de setembro de 1991 o Papa João Paulo II nomeou Dom Geraldo como secretário da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos. Em Roma assumiu inúmeros compromissos e responsabilidades, como por exemplo a nomeação para membro do Comitê Central do Grande Jubileu do Ano 2000, presidente da Comissão de Liturgia do mesmo comitê e membro do Pontifício Comitê dos Congressos Eucarísticos Internacionais.

No dia 13 de janeiro de 1999 o Papa João Paulo II nomeou Dom Geraldo como Arcebispo Metropolitano de São Salvador da Bahia, tendo tomado posse canônica em 11 de março do mesmo ano. Dom Geraldo foi o 26º Arcebispo da Arquidiocese de Salvador.

No dia 21 de janeiro de 2001 Dom Geraldo foi eleito Cardeal da Santa Igreja Romana, junto com 43 novos cardeais da Europa, Ásia, África e América, os primeiros do novo milênio.Em fevereiro do mesmo ano, no Consistório do Vaticano, receberam do Papa João Paulo II o barrete vermelho e o anel, sinais da dignidade cardinalícia e do compromisso que pode exigir do Cardeal o heroísmo coma entrega total de si mesmo a Deus e aos irmãos.

Como publicado no livro Pastores da Bahia, de autoria de monsenhor Walter Magalhães, ainda em Roma, o Cardeal Dom Geraldo Majella Agnelo disse que “todos os cristãos devem fazer tudo para serem irmãos. Não só entre nós batizados, mesmo aqueles que não são batizados e estão ao nosso lado, com eles devemos viver como irmãos e por isso são importantes o diálogo, a solidariedade e a vontade de concorrer para o bem comum”.

Dom Geraldo atuou, ainda, como assessor, membro, secretário e presidente de conferências e congregações da Cúria Romana. Em 2003 foi eleito presidente da CNBB, cargo que ocupou até maio de 2007. Foi também um dos presidentes da Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e Caribenho, encontro que aconteceu em maio de 2007, em Aparecida, São Paulo.

Dom Geraldo ficou à frente da Arquidiocese de Salvador até março de 2011, quando tornou-se Arcebispo Emérito.

Fonte: Arquidiocese de São Salvador

LITURGIA DIÁRIA