O milagre atribuído à intercessão do Bem-aventurado Allamano ocorreu na floresta amazônica brasileira, no estado de Roraima, onde Sorino, um homem da etnia Yanomami, foi atacado por uma onça que feriu gravemente a sua cabeça, abrindo-lhe a caixa craniana; era 7 de fevereiro de 1996, o primeiro dia da novena ao Bem-aventurado Allamano.

Transportado para o Hospital de Boa Vista, socorrido pelas Missionárias da Consolata, que nunca deixaram de pedir sua recuperação por intercessão do Pai Fundador, Sorino recuperou milagrosamente a saúde em poucos meses e ainda hoje vive em sua comunidade indígena.

O processo diocesano para analisar o suposto milagre foi realizado em março de 2021 em Boa Vista, enquanto o processo do Dicastério para as Causas dos Santos foi concluído em 23 de maio de 2024, com a aprovação do decreto que reconheceu o milagre. É um momento muito significativo para toda a família Consolata, composta por padres, Irmãos, Irmãs, leigos e leigas.

A Irmã Renata Conti e o Padre Giacomo Mazzotti, que atualmente acompanham a postulação, falam sobre o significado da canonização do Bem-aventurado Allamano. Em uma mensagem, os Superiores Gerais dos dois Institutos, o Padre James Lengarin, IMC, e a Madre Lucia Bortolomasi, MC, escreveram: “Sua canonização é para todos nós um imenso presente que nos convida a ouvi-lo para aproveitar cada vez mais a riqueza de sua santidade. Que nossos olhos e corações estejam fixos em nosso Fundador para ouvi-lo e olhar para sua santidade, que nos estimula a continuar sua missão de maneira séria e profunda”.

Fonte: Vatican News – Stefania Raspo e Jaime C. Patias *

LITURGIA DIÁRIA